EPICA - Blackmore Bar (2005)
08.12.2005

EPICA

ACÚSTICO E ÉPICO

Em sua primeira passagem pelo Brasil, os holandeses do Epica agitaram as cidades por onde tocaram, principalmente a cidade de São Paulo, que no dia 8 de dezembro pôde conferir a banda em um show acústico no Blackmore Rock Bar. Muitos paulistanos compareceram para prestigiar a segunda apresentação da banda na cidade, e lotaram a casa.

Mark Jansen, guitarrista do Epica, já estava preparado com sua câmera filmadora na área vip, com um sorriso de orelha a orelha, diga-se de passagem, quando as cortinas do palco se abrem e a gritaria do público denuncia a ansiedade e empolgação de todos que estavam lá.

A vocalista Simone Simons estava sentada em um banquinho no centro do palco. À sua esquerda estava o tecladista Coen Janssen e à sua direita o guitarrista Ad Sluijter, que neste dia tocou violão. Abriram o show com "Run for a Fall", de seu primeiro CD "The Phantom Agony". Apesar da música ser bem pesada na versão de estúdio, a acústica ficou muito mais leve, e pareceu acalmar os fãs. Passada a "euforia inicial", a banda segue para uma balada também presente em seu primeiro CD: "Feint", que ganhou coro dos fãs e mostrou uma Simone impecável nos vocais.

A vocalista, sempre muito carismática explicou a todos que geralmente, em apresentações acústicas, o Epica toca uma média de três músicas, mas que naquele show tocariam nove. Foi o suficiente para o público presente no Blackmore ir abaixo. Do mezanino do bar era notável a quantidade de flashes lá embaixo e a luta dos fãs para ficarem o mais perto possível do palco.

A aglomeração e o calor não tiraram o entusiasmo dos fãs e muito menos da banda, que continuou o show com a música que acaba de virar single e ganhar um clipe, "Quietus". Outra música mais pesada que ganhou uma versão mais 'light', levando o público novamente à euforia.

A ausência do vocalista Roy Khan (Kamelot, banda que tocou em São Paulo e no Rio de Janeiro com o Epica) não impediu os holandeses de tocarem "Trois Vierges", música que faz parte também da primeira trilha sonora composta pelo próprio Epica para um filme holandês. Simone fez um ótimo trabalho ao cantar as partes que seriam de Khan.

Dada uma pequena pausa para que o guitarrista Ad pudesse sair do palco, deixando Simone a sós com Coen e anunciando a música "Linger", dando início a uma parte mais 'light' do show. A nova composição do Epica já havia sido tocada no "Programa do Jô".

Em seguida, Simone anuncia uma música que não é do Epica, e sim de Andrew Lloyd Webber: "Memory", do famoso musical "Cats".
No fim da música a platéia começa a gritar "Simone! Simone! Simone!", e ela retribui com um "Brasil!... Brasil!".

Ad volta ao palco (com um pouco de dificuldade, pois estava com o pé machucado) e começa a música mais inesperada do show: "Blank Infinity". Eu não estava muito certa de como essa música ficaria na versão acústica - ela tem guitarras pesadas e muitos corais, mas, mais uma vez, Simone & Cia. fizeram um ótimo trabalho e a música ficou simplesmente maravilhosa! Um presente para os fãs de São Paulo: “Solitary Ground”. Essa balada do "Consign to Oblivion" tinha ficado de fora do repertório do show do Epica no Via Funchal (03/12/2005).

Simone anuncia a última música e começa a 'intro' de "Seif Al Din", assustando os fãs - já que se trata de uma das músicas mais pesadas da banda, contendo guitarras bem pesadas e guturais de Mark, com apenas alguns vocalizes de Simone. Mas logo eles emendaram o fim da intro com a linda "Cry for the moon", e a platéia vai ao delírio mais uma vez.

Infelizmente o show chega ao fim, mas mesmo sendo muito diferente do que os fãs de Heavy Metal estão acostumados, ele encanta e emociona. O Epica conseguiu prender a atenção de todos do começo ao fim mostrando que não é só com guitarras elétricas, bateria e coreis que se faz um belo e emocionante show.

A satisfação e alegria estavam estampadas na cara de cada um da banda. Eles atenderam alguns fãs enquanto a banda brasileira Amazon fechava a noite com algumas músicas de seu 'debut', "Victoria Regia" e alguns clássicos do Metal, como Iron Maiden e Sonata Arctica.

Enquanto a banda deixava o bar, as pessoas causaram um pouco de tumulto e bagunça, mais uma vez todos queriam ver Simone e a banda de perto. E assim a banda vai embora deixando uma lembrança muito mais que agradável na memória de todos que estavam lá nessa noite especial (tanto para os fãs quanto para a banda).

Site relacionado: www.epicabrazil.com

Por: Natália Pali / Colaboração: Flávia Lorenzon / Fotos: Ricardo Zupa


<< VEJA OUTRAS MATÉRIAS NESSA SEÇÃO